terça-feira, 31 de agosto de 2010

A difícil decisão de dar meia volta



McKinley – Um sonho gelado na montanha mais fria da Terra
 
Tudo na vida começa com um sonho e a vontade, o lado emocional. Depois vem a fase de projeto e planejamento, o lado racional. Desde a infância as montanhas exerciam um verdadeiro fascínio sobre mim. O tempo foi passando e eu entendi que devia sonhar e mais que isso, estudar um meio de realizar meus sonhos. Criar um plano estruturado, inteligente e digno de realização para que os sonhos fizessem sentido e se tornassem realidade. Sonhar e acreditar nos sonhos é vital, a fé move montanhas e também move o montanhista, desde que ele não se escore na fé, mas a use como ferramenta de motivação para um trabalho organizado e bem estruturado.

Sou descendente de uma família de agricultores e nasci na zona rural no interior do nordeste, numa casinha de barro, numa daquelas situações que se vê poucas perspectivas de mudanças e crescimento. Quando eu tinha 3 anos, meus pais se mudaram para a cidade mais próxima que ficava a 14 km para levar os 8 filhos para estudar, na época o mais velho já tinha 15 anos e não freqüentava escola por não existir nenhuma perto do sítio onde morávamos. Aos 16 anos mudei para Fortaleza, fui morar na casa de parentes para estudar e buscar novos desafios.

Apesar das condições do meu nascimento e dificuldades materiais, sempre soube que não podemos escolher onde nascer, mas onde e como viver é uma escolha nossa e eu escolhi buscar novos e grandes desafios e é isso que continuo fazendo a cada dia.
No dia 29 de maio de 2010 eu parti do Ceará para a minha maior expedição, vale lembrar que antes eu já havia escalado 4 montanhas acima de 5.500 metros: Cerro Vallecitos (5.500m), Huayna Potosi (6.088m), Ojos del Salado (6.893m) e o Aconcágua (6.962m), as duas últimas são respectivamente, o maior vulcão da Terra e a maior montanha da Terra, fora da Ásia. Estas duas últimas, escalei duas vezes cada uma, na primeira tentativa no Aconcágua, em janeiro de 2005 cheguei a 6.700m e retornei quando estava a 262m do cume, na segunda tentativa, em janeiro de 2006 fiz cume. No Ojos del Salado, em fevereiro de 2008, também retornei de 6.700m quando estava a 193m do cume, na segunda tentativa em janeiro de 2009, fiz cume. Nesta última empreitada, atravessei metade da Terra e fui parar no Alasca com o objetivo de escalar a maior montanha da América do Norte e a mais fria da Terra, o McKinley (6.194m). Pela altitude, por estar abaixo do Aconcágua, pode parecer fácil, porém o McKinley está próximo do Pólo Norte, um dos lugares de clima mais instável na terra e para dar um sabor especial à aventura, é uma montanha que exige muita técnica.

A aproximação da montanha é feita em 45 minutos de vôo entre montanhas, num monomotor que passa raspando vários cumes e desviando de outros e finalmente pousa num glaciar a 2.180m de altitude. A partir do glaciar são mais 24 km de terreno com sobe e desce, cheio de gretas para se chegar a 4.300m que é considerado o campo base avançado, para começar a escalada propriamente dita.

Apesar de todo um planejamento bem feito, bom condicionamento físico e equipamentos adequados, as altas montanhas sempre terão o fator climático que pode surpreender. Nesta hora precisamos conhecer bem nosso organismo e ficar atento com o movimento de cada nuvem.
Este ano, dei meia volta quando estava a míseros 200 metros de caminhada e 63 metros de desnível, justo depois de ter escalado todos os trechos técnicos, já não havia mais nenhum desafio, apenas uma pequena caminhada. Cada vez que revejo as fotos e os vídeos, tenho mais certeza que tomei a decisão mais acertada que podia. Preservei a minha vida e a montanha continua lá me esperando nas temporadas seguintes.

Precisamos ter a medida certa de ousadia, mas não podemos abusar da sorte. Na vida temos que aprender a curtir caminhos e não ficar apenas mirando o destino. Há tempo de plantar e de colher, tempo de seguir e de recuar. Muitas vezes recuar estrategicamente é a melhor alternativa e a mais sábia.

Escalar montanhas é muito mais que ganhar alturas fazendo algum esforço físico, é um exercício de planejamento seguido de ações estratégicas que visam otimizar os recursos e esforços e progredir com segurança. Neste exercício, muitas vezes precisamos recuar para melhor planejar nossas ações e seguir em frente quando estamos seguros dos resultados ou no mínimo plenamente consciente dos riscos que estamos assumindo.

Nada de grande se faz sozinho, precisamos de uma equipe com comprometimento, quero aproveitar aqui para deixar os meus infinitos agradecimentos aos meus patrocinadores e colegas de escalada. Obrigado a cada um vocês pelo incentivo ao montanhismo e especialmente patrocinar o meu sonho, sonho que tem atraído tantos outros sonhadores que sensibilizados com a minha experiência, tem despertado para sonhos que outrora estavam dentro de si adormecidos e pareciam impossíveis aos seus donos e agora começam a germinar mostrando que são passíveis de realização.

A vida é breve, não devemos perder tempo e sim acreditar com fé nos nossos sonhos e investir todas as nossas energias com força e determinação e confiar nos frutos que eles viram. 

O que somos hoje é fruto do que plantamos algum dia ou que esquecemos de plantar. O poeta tem razão "Cada um de nós compõe a sua história, cada ser em si carrega o dom de ser capaz, de ser feliz".

A todos um caloroso abraço do tamanho do McKinley.


Rosier Alexandre

www.rosier.com.br

7 comentários:

  1. Bela Vitória, belas palavras...Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns! Muito emocionante o seu depoimento.O coração da gente bate mais forte quando se ler uma história de sucesso de alguém que conhecemos, que vimos crescer.Fui lendo e parece que escutava a sua voz, contando e sorrindo. Sempre feliz! Deus te abençõe e te faça um homem realizado em tudo, especialmente no seu maior sonho.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  3. Mesmo sabendo como tudo aconteceu( refiro-me a sua escalada) ainda assim me emocionei bastante com o seu relato, parece um "filme" no qual ainda não aparece aquelas letrinhas mostrando que é o final... quantas montanhas ou vulcões ainda te esperam?!!! quantas vezes ainda ficaremos com os nossos corações a mil, enquanto você planeja milimetricamente o topo de um deles?!!! mas certamente em cada nova empreitada , haverá uma legião de admiradores como EU , torcendo por você! Te amo!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Só falta o livro, agora!

    ResponderExcluir
  5. Que maravilha de relato, realmente é emocionante !!! Vc é um guerreiro, um exemplo de coragem e determinação para todos nós... Que Deus abençõe as novas conquistas que com certeza virão. Parabéns !!!!

    Laice Saraiva

    ResponderExcluir
  6. Valeu Mestre Rosier,admiro a sua capacidade de superação e evolução!!! O cariri espera seu retorno.. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  7. Bem típico de você mesmo viu Rosier, essas palavras e expressões que definem perfeitamente o que se passou e toca no íntimo de qualquer ser humano que as lê, porque como sempre...Escritas com emoção.
    Saudades de você, Quixadá e nós do curso de Turismo recém formados agradecemos diareamente pela oportunidade de ter lhe conhecido e pela simplicidade e carinho que trata a cada um de nós.
    Um abraço no seu coração!
    Fica com Deus!

    ResponderExcluir